Espanha desmantela rede de exploração sexual de brasileiras

Polícia espanhola prendeu cinco pessoas em operação contra o tráfico de mulheres

A polícia espanhola desarticulou uma rede comandada por brasileiros que explorava sexualmente jovens naEspanhae naItália, em uma operação na qual cinco pessoas foram detidas, três vítimas foram libertadas e outras quatro mulheres foram resgatadas antes de serem obrigadas a se prostituir. A organização, que levava garotas doBrasil, não é a primeira do tipo desmantelada na Espanha. Nos últimos anos,várias operaçõesenvolvendo brasileiros foram descobertas no país, com dezenas de pessoas presas.

A investigação teve início quando agentes obtiveram a informação de que uma mulher brasileira estariasendo transportada contra sua vontadeentre duas cidades do sul da Espanha para ser explorada sexualmente. Os criminosos enviavam dinheiro ao Brasil para que os intermediários comprassem passagens de avião para as vítimas e cobrissem qualquer outra despesa derivada de sua viagem à Espanha.

Ao chegarem na Europa, as mulheres eram recebidas por membros da organização e levadas imediatamente a diferentes prostíbulos ou quartos alugados para este fim, tanto na Espanha como na Itália.

Os contratos dos locais alugados pelos criminosos eram de pequena duração, entre uma semana e um mês. Algumas jovens estiveram em mais de 25 localidades espanholas e pelo menos em três cidades italianas.

Os cafetões “abatiam” a dívida das mulheres pela viagem com parte dos lucros obtidos de seu trabalho e asseguravam assim a permanência delas na organização. Se cumprissem as condições estabelecidas pelos negociantes, poderiam inclusive ser “premiadas” com a tarefa de controlar as novas vítimas que eram trazidas do Brasil.

Os agentes calculam que a organização explorou quase 40 mulheres desde que começou a operar.

Veja.Com

Pármenas Alt28,044 Postagens

A estrada é longa e o tempo é curto. Não deixe de fazer nada que queira, mas tenha responsabilidade e maturidade para arcar com as consequências destas ações.

Deixe um comentário